/>

10/04/11

DESOBRIGATORIEDADE DA ESCRITURA PÚBLICA


Código Civil de 2002
Art. 108. Não dispondo a lei em contrário, a escritura pública é essencial à validade dos negócios jurídicos que visem à constituição, transferência, modificação ou renúncia de direitos reais sobre imóveis de valor superior a trinta vezes o maior salário mínimo vigente no País.


Poucas pessoas tem conhecimento do artigo 108 da nossa legislação geral brasileira que dispensa a Escritura Pública de compra e venda de imóveis para negócios com valor até no máximo 30 salários mínimos vigentes.


No ano de 2013  o salário mínimo nacional máximo vigente no Brasil é de 
R$ 724,00  


Atenção: a Legislação pertinente é o Código Civil de 2002 e portanto deve ser desconsiderado os pisos regionais que tem valores variados e determinados por categoria de trabalhadores e governo estadual. 
Sempre será utilizado o Piso Nacional.


Imóveis com valor de no máximo R$ 21.720,00 estão dispensados da escritura pública realizada em Tabelionato de Notas podendo o contrato particular ser levado direto ao Cartório de Registros Imobiliários desde que o mesmo tenha sido elaborado conforme determina a Lei.

Atenção ao preço máximo do imóvel. Não adianta estabelecer um preço abaixo do valor de mercado para fugir da escritura publica pois será considerado válido o preço determinado pelo órgão competente e desta forma se por exemplo, o poder municipal determinar para fins de cálculo do imposto de transmissão que o valor do imóvel é acima do estabelecido pelas partes valerá o valor maior até que judicialmente se prove o contrario e sendo assim será obrigatório a Escritura Pública. Uma forma bem simples de evitar fraudes.

Os legisladores e doutores no assunto recomendam que sempre se faça a escritura pública pois o profissional do Tabelionato é qualificado para que a transmissão seja feita com a devida segurança que a lei exige. Para imóveis até este valor os custos são reduzidos.
Levando-se em conta que imóveis neste valor normalmente são negociados por pessoas de baixa renda que nem sempre conhecem a lei, a segurança do Tabelionato se faz indispensável para que todo o processo de compra e venda seja perfeito. Para que o contrato particular seja levado a registro ele tem que ser perfeito e nem sempre as pessoas sabem como formalizar este tipo de contrato. Sendo assim recomenda-se fazer a escritura já que a lei a dispensa mas não impede que seja realizada.

Neste caso em questão, o contrato particular deixa de ser solene por não exigir a escritura pública para ser formalizado e assume a forma livre.
http://www.direitonet.com.br/contratos/dicas/

Segundo o amigo Jeferson Filho(comentários) deve-se ater ao seguinte:

"Vale ressaltar que para que a escritura particular possa ingressar no fólio real faz-se mister que seja lavrada em pelo menos duas vias, com as firmas devidamente reconhecidas em Notas de Tabelião Público e recomendável que seja Registrada no Registro de Títulos e Documentos. Além disso, a pessoa que for lavrar a escritura particular, deve solicitar antes o certidão negativa de ônus e a certidão negativa de ações reais e pessoais reipersecutórias, do Cartório de Registro Imobiliário onde o imóvel estiver matriculado, além de fazer constar na escritura (ou juntar no traslado) as demais certidões referidas pelo Decreto nº 96.240/86, que regulamentou a Lei nº 7.433/85."





Atualizado em janeiro de 2014

12 comentários:

  1. Boa noite. Preciso que me ajude a entender. Comprei um terreno que era do meu primo, não tenho escritura nenhuma só a matrícula, como faço para eu ter em minhas mãos a escritura. O pior é que outro primo que já é falecido foi a prefeitura e para eu não precisar descer até a baixada e ficar pegando os impostos ele não sei como conseguiu colocar o nome como compromissário mas com o meu endereço de correspondência, sem que ele apresentasse nehum tipo de escritura. Por favor me ajude. Meu e-mail financeiro@linkeline.com.br

    Me responda o mais breve poss´vel
    Agradeço muito e fico grata.

    ResponderExcluir
  2. Jeferson Filho - Acari/RN02/08/11 21:48

    Vale ressaltar que para que a escritura particular possa ingressar no fólio real faz-se mister que seja lavrada em pelo menos duas vias, com as firmas devidamente reconhecidas em Notas de Tabelião Público e recomendável que seja Registrada no Registro de Títulos e Documentos. Além disso, a pessoa que for lavrar a escritura particular, deve solicitar antes o certidão negativa de ônus e a certidão negativa de ações reais e pessoais reipersecutórias, do Cartório de Registro Imobiliário onde o imóvel estiver matriculado, além de fazer constar na escritura (ou juntar no traslado) as demais certidões referidas pelo Decreto nº 96.240/86, que regulamentou a Lei nº 7.433/85.

    ResponderExcluir
  3. Excelente complemento ao Post Jeferson. Se me permite, acrescentarei a postagem visto que nem todos costumam ler os comentários.
    abraços

    ResponderExcluir
  4. O maior salário mínimo vigente no País não é o nacional de R$ 545,00. Deve ser o do Rio de Janeiro. Em SP é de R$ 620,00.

    ResponderExcluir
  5. Prezado anônimo, após confirmação com 04 Tabelionatos de Notas, todos confirmaram que deve-se usar o Salário Minimo Nacional de R$ 545,00 e não os dos estados porque para fins de escritura pública deve ser considerado o Piso Nacional. Sendo a legislação pertinente o Código Civil de 2002, quando o piso regional não existia.
    abraços

    ResponderExcluir
  6. Oi boa noite, fiz um contrato de 12m que estará vencendo dia 5 de maio de 2016, sendo queneu paguei o último mês e entreguei entreguei as chaves ao locafor no início desse mês. Por motivo de segurança pedi ao mesmo que me entregasse um recibo de término do contrato e as cópias dos meus documentos que entreguei para ser criado o contrato, e o locador só me deu o recibo quintando o último mês e disse que o contrato e as cópias dos documentos ficaria com ele anexados. Gostaria de saber se essa atitude está certa dele? Lembrando que ao entregar as chaves a ele ele não marcou nenhuma vistoria e já está guardando matérias de construções lá dentro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Guilherme. Sim está correto, o locador deve guardar por 3 anos esta pasta no minimo período em que as partes podem declara judicialmente qualquer ato referente a locação. Nãos e preocupe que nada é feito com teus documentos que possa te prejudicar.
      quanto a vistoria final só pode ser feita se foi feita uma inicial para comparação. Se foi feita vistoria inicial entre em contato com ele para finalizar o contrato, ele deve te dar um recibo de término do contrato e quitação total da locação nada mais devendo as partes.
      abraços

      Excluir
  7. Como é seu nome completo? Gostaria de citá-la num artigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Yone Oliveira. Maria Angela Camini.
      abraços

      Excluir
  8. Bom dia
    Obrigada senhora Maria Angela.
    praticamente mesmo o contrato terminando 31 de maio de 2017 o calculo do reajuste deve ser sempre de um ano.
    obrigada pela Informaçao.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, sim, sempre será as cada 12 meses até porque se o prazo do contrato é menor que 12 meses ao término do prazo o contrato se renova automaticamente por prazo indeterminado. somente poderá ser aplicado o reajuste em prazo menor se de comum acordo as partes assinarem um aditivo concordando com o novo valor.
      Abraços

      Excluir

Meu Blog é democrático e criticas só virão a aperfeiçoar seu conteúdo. Fique a vontade para criticar, elogiar, sugerir ou implorar, eh,he,he.
Criticas ofensivas serão apagadas, criticas construtivas serão mantidas,
Se teu comentário não for respondido em 24 horas, envie um Email pois posso não ter recebido a notificação de que foi postado.

DÊ PREFERÊNCIA EM ME ENVIAR UM EMAIL

EMAIL: mcamini150@gmail.com